segunda-feira, 15 de julho de 2013

Vazios

A vida tem um senso de humor negro. Ela nos presenteia com lindas jóias e as rouba, arruinando por vezes nossos sentimentos.
O que esperar da vida? Ela sempre foi uma caixinha de surpresas com apenas duas certezas.
A gente nasce.
A gente morre.
Era sempre no domingo. Minha sala de estar é pequena e raramente mudamos os móveis de lugar.
Do lado direito há um sofá de dois lugares encostado a uma parede da cor laranja e há um quadro onde eu e meu irmão estamos usando roupas que outrora talvez fizesse sucesso, estamos sorrindo. Esse é um daqueles típicos quadros que as mães amam e os filhos tentam esconder quando vão receber a visita de um amigo.
Defronte ao sofá está a estante com a TV, mais ao lado a porta, do lado esquerdo o sofá de três lugares e acima dele a janela.
Ele sempre chegava antes do almoço cumprimentava todo mundo e se sentava no canto do sofá de três lugares, tomava uma cerveja, conversava com meu pai e assistia algum programa de esporte. Depois almoçávamos juntos a mesa e ele voltava para o sofá, lá tirava um cochilo e não posso esquecer de mencionar, é claro, de seus roncos...
Hoje é domingo, o almoço ainda não está pronto, estou deitada na cama esperando ele chegar; um ato inútil, ele não vai chegar. 
E na sala o canto do sofá de três lugares está vazio.
Isso também acontece quando vou visitar minha tia.
A primeira coisa que eu fazia ao chegar em sua casa era ir até o quarto; ele estava sempre sentado na poltrona ao lado da cama lendo a bíblia, eu ia até ele pegava sua mão enrugada pela idade e pedia a 'bença'.
Hoje quando vou até o quarto encontro apenas um cômodo vazio.
É incrível como não me acostumo a isso.
Mas ao mesmo tempo que o vazio é melancólico ele é cheio de beleza.
Se existem vazios, existiram pessoas que valem a pena serem lembradas.

Daniela Silva

10 comentários:

Patrícia N. disse...

São esses os vazios que nos corroem. A saudade é o principal ácido das nossas almas.

Andressa Pereira disse...

Eu me emocionei muito ao final do teu texto. Seja ele uma verdade ou não, sinto muito.
A saudade é um poço sem fundo, desses que as pessoas vivem mencionando. É também o túnel sem luz, é vazio, é tudo e não é nada, e morre matando a gente...saudade é uma coisa confusa demais...

Identidade Aleatória
Facebook

Fábio Murilo disse...

Que triste Dani. Também tinha um tio assim: Tio Zezinho. Querido pro todos da família. prestativo, pintava a casa de todos no final do ano, ainda lembro o cheiro da tinta, cheiro de laranja. Uma pessoa simples, sem ambição. Fumava o único da família, acho que foi essa a causa do infarto, o tabagismo, bebia também umas cervejinhas inocentes... Um cara legal meu Tio Zezinho, um cara comum e especial ao mesmo tempo, por ser nosso tio. Sei o que é isso. Conto muito comovente, embora triste, mais dizem que quando tristes, e que escrevemos os textos mais bonitos, feito o seu, são compostas as melhores musicas. "A gente nasce, a gente morre", nesse meio tempo, vivamos o momento, isso também é uma certeza, o agora. Na caixinha de surpresas do futuro também tem surpresas agradáveis, além de incômodos vazios. Muita paz!

http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

Mateus Medina disse...

"Se existem vazios, existiram pessoas que valem a pena serem lembradas."

Perfeito!

Bjos

Rapha Barreto disse...

Força ai e eu sei como é esse vazio. Tudo passa e só as lembranças ficam.

Beijos

Joice N. disse...

Tenha forças, o vazio pode nos consumir se deixarmos. Sei que é triste mas com o tempo a gente se acostuma. Lembre-se que se a alguém que faz falta, é porque ela mudou alguma coisa em sua vida e de onde ela estiver, se sentirá triste se a ver triste.
Beijinhos ♥
http://mydreamsofasummernight.blogspot.com.br/

Renan Mendes disse...

Que coisa bonita isso que você escrever, os dois lados do vazio. Ainda não tinha pensado por esse lado.

Gabriela Marques de Omena disse...

Apesar de tudo, acredito que não viemos à Terra para deixarmos vazios... Viemos até aqui, porque esta estava vazia... Viemos para preenchê-la. Mas temos um lugar a que nos pertence, o Céu, e que para onde, um dia, devemos regressar... Porque todos nós merecemos descansar um dia.

Um beijo enorme!!

Erica Ferro disse...

Esse vazio dói desgraçadamente, a saudade é tão grande, que parece que a qualquer momento vai nos sufocar, mas então vem o acalento das boas lembranças, dos momentos lindos que vivemos ao lado da pessoa que hoje está ausente. Isso ameniza a nossa dor.

Um abraço!

Sacudindo Palavras

Adna Martins disse...

Dani, este texto me lembrou muito a história de uma amiga que me fez chorar sexta-feira passada. Mas chorar,porque a pessoa da poltrona da casa dela, a fazia tão bem que mesmo não estando mais lá, o bem continua a se prolongar, sabe?

Dani, eu adoro quando vejo que meus visitante vieram da sugestão de outros blogs. A única coisa que peço, tente entrar em contato comigo, porque sempre crio laços com os autores de meus blogs queridos, e já conheci muitos deles. Beijos!